Archive for abril \21\UTC 2010

Cabelo?

abril 21, 2010

Fotopinhole: Leandro Anton

aguarde mais um “capítulo” do Bairro Cristal

Anúncios

Time União

abril 16, 2010

Time RBL (Unidos da Resbalo) Foto: Sueda Juliane

Por Sueda Juliane:

“Nada como um belo domingo para colorir um grande espaço de gramado, jogando um futebol com os amigos e se reunir com a família para aproveitar um lindo dia. Na Vila Resbalo ou Nossa Senhora das Graças no Bairro Cristal os moradores aproveitam seus domingos com partidas de futebol, além de futebol masculino também tem futebol feminino.

Time RBL(Unidos da Resbalo) Foto: Sueda Juliane

Garotos e garotas de todas as idades participam dessa atividade que além de ser divertida ajuda a unir mais essas pessoas. Esse é um time que podemos chamar de time da união.”

***

Atualizando a publicação da Sueda, escaneamos as fotografias feitas com a câmera de caixa de fósforo pelo Leandro Anton. Aliás, uma câmera muito especial. Com um ângulo de visão maior que a maioria das pinholes que fizemos até agora.

Campo de futebol da Resbalo. Foto pinhole: Leandro Anton

Fotopinhole: Leandro Anton

Fotopinhole: Leandro Anton

Formato geralmente obtido com as caixas de fósforo. Fotopinhole: Leandro Anton

Os nomes das coisas.

abril 15, 2010

Foto: Saionara da Silva

Por Saionara:

“Bom,
Esses dias eu e Leandro estivemos conversando sobre qual história eu contaria e decidimos pela historia dos nomes das ruas do Bairro Cristal. Descobrir qual o motivo delas serer todas com nomes indígenas . No dia dez do quatro do dez saímos caminhar e tiramos muitas fotos, por exemplo: placas, ruas, muros, etc. Algumas placas do cristal que fotografamos tinham informações.

Jataí. Foto: Leandro Anton

Por exemplo a placa Jataí indicava que aquele nome fazia referência à Guerra do Paraguai. Cara!!! Isso isso me chamou muita atenção, eu nunca iria imaginar que esse nome vinha da guerra do Paraguai. Bom, para falar a verdade, eu nunca tive interesse de saber os motivos de tantos “i” nas ruas do Cristal. Até o meu pai sabia que o nome que está nesta placa se refere ao local de uma batalha da Guerra do Paraguai, eu achei de mais.

Mas agora tenho interesse em descobrir a identidade das rua do bairro onde eu moro. Então é isso.”

Nomes espalhados por toda parte. Foto: Saionara da Silva

Mil e uma histórias do Seu Manoel

abril 14, 2010

Dia 10 de abril, 17 dias depois da primeira entrevista com o Seu Manoel, o Elincoln voltou à Beira do Guaíba para uma segunda entrevista com o último morador da área da antiga Vila Cai-Cai. Seu Manoel sentou-se a sombra, com a tradicional garrafinha plástica na mão e contou mais um pouco da sua inusitada história de vida:

Baita retrato. Seu Manoel. Foto: Elincoln Lucas

Por Elincoln Lucas:

“Início da manhã de sábado, voltei a casa de Seu Manoel. Ele já estava trabalhando, limpando o seu “jardim”, ou parte dele. Pegamos um bom lugar em baixo de uma árvore para conversarmos melhor.  Uma sombra de árvore sempre dá uma boa conversa, não deu outra.

O "Jardim"do Seu Manoel. Foto: Sueda Juliane

A gataria e um dos "bebedouros" espalhados pelo pátio. Foto: Elincoln Lucas

Seu Manoel parecia mais a vontade, talvez pela bela manhã de sol ou por já estar familiarizado com a gente. Voltamos a alguns pontos da conversa que já haviamos feito e abordamos alguns assuntos novos.

Por ter uma  idade avançada, mesmo parecendo mais novo, Seu Manoel tem muita história para contar, e isso que é o mais legal… tem vários pontos da conversa que tu fica com aquele “quero mais”. Começa a falar de uma coisa, um ponto de sua vida, e já passa para outro, fala alguma coisa da atualidade e depois volta para o mesmo ponto que estava, e depois de tudo isso,  tu vê que os dois pontos tem tudo haver um com o outro , loucura total. E com as câmeras fotográficas, Manoel se mostrou ter uma boa relação, fica muito a vontade com elas, é como se elas não estivesem ali.”

Nesta entrevista, Manoel falou um pouco sobre as noitadas nos cabarés do Bairro, sobre as remoções que presenciou de vila em vila, dos seus trâmites com a Prefeitura para permanecer morando na beira do Guaíba. Em breve os trechos das entrevistas.

“Posso dizer, que se fossem fazer um livro sobre o Manoel, seria um livro incrível, uma pessoa que passou por muitos momentos da cidade de Porto Alegre e, diz também, ter ido para outros lugares do mundo… mas, isso já é outra história. Tudo bem que muita coisa que Seu Manoel diz ter feito pode ser fantasia dele, fantasia essa que se ganha após algums anos na rua e muito sol na cabeça, mas uma coisa é certa, com 82 anos de vida, quase 83, ele pode ter feito tudo isso e ,talvez, mais um pouco.

Além da casa, os acampamentos na prainha. Foto: Sueda Juliane

Estamos já pensando em voltar para uma nova conversa, para talvez finalizar.

Penso em chamar o Seu Manoel para conhecer o ponto de cultura, já que ele nunca veio aqui e se mostra bem a fim de conhecer o espaço.”

Yeda quer vender o Morro Santa Teresa

abril 12, 2010

O futuro da Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (FASE) está servindo de cortina de fumaça para esconder um dos maiores negócios imobiliários da história do Rio Grande do Sul: a venda de uma área nobre de aproximadamente 74 hectares que abrange boa parte do Morro Santa Teresa, uma das mais belas vistas de Porto Alegre. O assunto está sendo tratado como “a venda do terreno da FASE” que faria parte de um processo de descentralização da entidade. O que não está sendo dito, por razões óbvias, é que o “terreno da FASE” é mais ou menos a metade do Morro Santa Teresa, uma das maiores áreas verdes da capital, com 17 espécies vegetais ameaçadas de extinção, com patrimônio histórico e cultural e onde vivem milhares de pessoas. Não se trata, portanto, da mera venda de um terreno qualquer do Estado. Leia a matéria do Jornalista Marco Weissheimer.

Em outra matéria, Weissheimer conta que o presidente do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge), José Luiz Azambuja, enviou uma carta ao deputado Fabiano Pereira (PT), presidente da Comissão de Serviços Públicos da Assembléia Legislativa, apontando “flagrantes imprecisões” no Projeto de Lei n° 388/2009, que autoriza o governo do estado a vender ou permutar a área onde está localizada atualmente a Fase, antiga Febem.

Entre essas imprecisões aponta a ausência, no texto do projeto, de dados básicos como a extensão e os ângulos internos da gleba, o que impede a identificação e mesmo o mais simples cálculo da área total atingida. Na carta, Azambuja considera inexplicável a pressa na tramitação.

Montagem da vista noroeste do Morro Santa Teresa FotoMontagem: Proj. Imagens Faladas

Os moradores também defendem que a matéria seja amplamente debatida pela sociedade e pelas comunidades envolvidas e não submetida à votação às pressas na Assembléia. Essa pressa, aliás, recomenda uma cautela redobrada em relação aos interesses envolvidos no negócio. Interesses especialmente do setor imobiliário que olha para aquela área como para a jóia mais cobiçada da coroa. Não é à toa que o maior grupo midiático do Estado, a RBS, que tem um conhecido braço imobiliário (Maiojama), vem dedicando especial atenção ao tema.

Vista do Guaíba de dentro do terreno em questão, na Vila Ecológica. Foto: Nicolas Gabriel/Quilombo do Sopapo

Vila Gaúcha

abril 8, 2010

A sabedoria enraizada nos caminhos do Bairro Cristal começa a tomar volume. Timbra dignidade e valorização de vidas, que durante décadas trabalharam para construir um espaço de liberdade e prosperidade sem fronteiras no tempo.

Cristina conversa com a Dona Cecília. Foto: Eduardo Seidl

Dona Cecília, moradora há 36 anos na Vila Gaúcha, conversou com a Cristina Nascimento. Contou a história da sua vida, os sonhos constantes e desabafou sobre as dúvidas que rondam a comunidade.

Mesmo aposentada, continua trabalhando, não tem a idéia de ficar parada. foto: Cristina Nascimento

A Vila Gaúcha esta na área que é ameaçada de despejo pelo projeto de Lei 338, que tramita na Assembléia Legislativa e autoriza o Governo Yeda a vender o terreno da Fase, antiga Febem.

Cristina abraçou a pauta com carinho. Moradora da Vila União St.  Tereza, tem a mesma sensação que as quase 4000 famílias que vivem ali.

Em breve publicaremos algumas transcrições da entrevista  que durou cerca de 1h e meia. Dona Cecília recebeu o Projeto Imagens Faladas na sua casa e mostrou com orgulho a vista que tem da janela do seu quarto.

pôr do sol privilegiado. Foto: Cristina Nascimento

“Não saio daqui por dinheiro nenhum.
Nada paga todo trabalho e dedicação
que tivemos para construir nossa casa, do nosso jeito.”

Dona Cecília

Museu Joaquim José Felizardo

abril 8, 2010

Elincoln e Eduardo nos computadores disponíveis para pesquisa.

Os fotógrafos Elincoln Lucas e Eduardo Seidl estiveram na Fototeca Sioma Breitman, do Museu Felizardo, no dia 31 de março, procurando fotografias do Bairro Cristal. Foram pesquisadas palavras como: Bairro Cristal, Hipódromo, Estaleiro, entre outras. Há possibilidade de uma outra busca mais avançada, na tentativa de encontrar imagens específicas. Esta pesquisa foi de grande valia. Publicamos aqui algumas raridades.

Montagem de fotos. Vista do Guaíba.

Trabalhadores do Estaleiro Só.

Esta fotografia dos trabalhadores do Estaleito Só, serviu de cartão postal. Escrito na base: – Reparo do leme, avariado em viagem do vapor argentino Patagones. O nome da cidade de Porto Alegre ainda levava acento circunflexo no primeiro “o”. Ficamos devendo a data, que não consta nos metadados do arquivo.

Elincoln e Manoel, um diálogo promissor!

abril 4, 2010

O fotógrafo Elincoln Lucas relata sua primeira saída a campo em busca das histórias que construirão o livro. Falta pouco tempo para podermos ver o resultado do trabalho que começamos lá em janeiro.

Seu Manoel. Foto: Elincoln Lucas

Elincoln Lucas

“Dia 24 março iniciei o trabalho. Nesse dia, eu comecei a trabalhar na minha historia. Depois de conhecermos o Seu Manoel, umas semanas atraz, achei que seria legal ter a historia dele no livro, uma visão das ruas do Cristal. Depois do encontro que tivemos com ele, eu e o Churras, no dia 24, vi que não estava errado, esse senhor tem muita historia pra contar…claro, com alguma fantasia..que é normal quando se vive a muito tempo na rua, mas tudo com um fundo de verdade. Uma pena que tenha terminado a bateria do gravador , pois estava muito legal a conversa, um erro nosso que não iremos repetir. Seu Manoel nos contou coisas muito legais,como tudo que já tinha falado.

Vi que era preciso contar a historia desse homem que diz ter 83 anos, não só pelo fato dele ter uma boa historia e grandes feitos, mas também para mostrar o modo e onde ele vive. Atualmente, sua casa, seu lar, sua vida, vem do lixo. Tudo em volta desse homem é lixo, que a sociedade acha que é, mas para Seu Manoel é tudo!

Foto: Elincoln Lucas

Esse foi só o primeiro dia, já tiramos algumas fotos do Seu Manoel. Voltaremos na casa dele semana que vem, para conversarmos mais e tirarmos mais fotos.Isso tudo é só o início…”

Festival de Fotografia de Porto Alegre

abril 3, 2010

Santander Cultural. Foto: Eduardo Seidl

Na terça-feira, dia 6, abre em Porto Alegre o 4º FestFotoPoA. Destino certo e necessário para todos os integrantes do Projeto Imagens Faladas. O FestFoto é um dos maiores eventos de fotografia do continente e reúne uma amostra do melhor em fotografia no mundo. É imperdível nossa participação e contribuição num evento desta qualidade e tão perto de nós.
A terceira margem do tempo fotográfico. O território da fotografia.
Partindo do conceito do “instante decisivo”, de Henri Cartier-Bresson, a primeira margem e, “alongando o tempo fotográfico”, da experiência construtivista, a segunda margem, o 4º FestFotoPoA propõe uma reflexão sobre o tempo na fotografia e seu território no campo da arte, consolidado pelo impacto das novas tecnologias e a abertura de uma terceira margem, que se estrutura mais pelo movimento do que pela geometria.
Convidados debaterão com o público “o tempo e o espaço no território da fotografia e na arte contemporânea”.

O umbigo do Lula! Ou do Mundo?. Foto: João Bittar

Três salas de projeções – Sala Henri Cartier-Bresson, Sala Thomaz Farkas e Sala Hélio Oiticica formam a linha do tempo e o campo de reflexões.
A “Memória como direito de cidadania” e as questões envolvidas no patrimônio sócio-cultural existente nas coleções e acervos de fotografias, serão a matéria do IV Seminário “Coleções públicas e privadas: um olhar autoral no tempo”, que se pretende reflexivo e propositivo para viabilizar linhas de conservação e consolidação de Pontos de Memória Fotográfica em todo o país.
O papel da fotografia como instrumento de inclusão sócio-cultural será aprofundado no seminário que vai trazer a Porto Alegre, as experiências de projetos sociais de Recife, Belém, São Paulo e Rio de Janeiro que vão por sua vez, dialogar com as ações educativas do festival que serão realizadas nos Pontos de Cultura da cidade.
O 4º FestFotoPoA é reflexão, proposição e muito debate. Mas também muita festa. Vem!

…entre no blog do Festival…

Tambores Digitais

abril 3, 2010

Tambor de Sopapo, presente no Teia2010. Foto: Eduardo Seidl

De 25 a 31 de março aconteceu em Fortaleza o 4o Encontro Nacional de Ponto de Cultura, o Teia 2010: Tambores Digitais. Foram cerca de 2500 Pontos de Cultura, mais de 4500 militantes da cultura, trocando experiências, aumentando redes sociais de trabalho e virtuais.  O Quilombo do Sopapo esteve presente com 13 representantes, dois destes, o Eduardo e o Leandro Anton, integrantes do Projeto Imagens Faladas.
Foram 5 dias de vasta programação, várias oficinas, seminários e apresentações culturais.  O último dia, 31, foi destinado ao encontro entre os delegados de Pontos de Cultura.

Cortejo dos Libertos contou com cerca de 2000 brincantes. Foto: Eduardo Seidl

Para quem quiser saber detalhes do que rolou por lá pode ver fotos no flickr, vídeos no YouTube e escutar a programação da Rádio Rebuliço, que segue no ar. Um entrevista com o Ministro da Cultura Juca Ferreira e outra com o Secretário de Cidadania Cultural do MinC, Célio Turino, estão disponíveis para escuta on line. Mas o conteúdo mais diverso é o reunido durante a cobertura compartilhada.
Além do contato presencial entre representantes de Pontos de Cultura, delegados e comunicadores, a internet foi sem dúvida a forma mais utilizada para se comunicar durante a Teia 2010 – Tambores Digitais.
Do dia 25 de março, quando se deu o início oficial da Teia, até o dia 30 de março foram 8587 IPs distribuídos, 88.845 páginas acessadas, além dos modens 3g’s que se via em cachos.
O dia em que mais se utilizou internet foi no sábado, 28, quando foram apontados 5.260 acessos só no Telecentro montado ao lado do Dragão do Mar.
No momento de fechamento da Teia 2010: Tambores Digitais, a grande notícia foi a confirmação, vinda de Brasília, de que a partir de agora os Pontos de Cultura terão um representante junto ao Conselho Nacional de Política Cultural. Além dessa vaga, os pontos conquistaram lugar, também, na Comissão do Programa Cultura Viva. Visite o site e descubra o que mais aconteceu.

Óia o Boi. Foto: Eduardo Seidl

Os números finais da Teia devem estar disponíveis em aproximadamente um mês, mas adiantou-se que o evento contou com aproximadamente 5 mil pessoas, além do apoio de grande parte da população de Fortaleza.